A Estrutura da Árvore da Vida – caminhos, pilares, triângulos e estórias


Antes de adentrar no estudo das esferas e dos caminhos que as ligam, na Árvore da Vida, há uma série de observações importantes a se fazer. Estas, evidentemente, após o conhecimento daqueles, se aprofundam e exigem revisão e reformulação. Mas é importante começar por elas, para se ter uma noção panorâmica do tema.

1. Os Caminhos

A árvore da Vida pode ser percorrida, em suas esferas, a partir de dois sentidos contrapostos. De baixo para cima, ou de cima para baixo.
O caminho de cima para baixo se chama O Caminho da Pomba.
O Caminho de baixo pra cima é o Caminho da Serpente.
Obviamente, a Pomba vai de Kether até Malkuth
Inversamente, a Serpente vai De Malkuth até Kether

Isto faz recordar a famosa máxima de Jesus, acerca da necessidade de se ter ‘a mansidão da pomba e a prudência da serpente’. Não é uma coincidência.

2. Os pilares

Outro aspecto importante na estrutura da árvore da vida são os Pilares, isto é, as três grandes linhas verticais que a compõem.

Observando os Pilares a partir da Pomba, tem-se
O pilar da Expansão – A partir de Hochma,  passando por Chesed e Netzach
O pilar da Restrição – A partir de Binah, passando por Geburah e Hod
O pilar do Equilíbrio - A partir de Kether, passando por Tiferet, Yesod e Malkuth


3. Os triângulos

Outra maneira de organizar a compreensão da Árvore é observando-a, a partir de Kether, em três triângulos sucessivos:
O primeiro, o divino, de Kether a Binah
O segundo, espiritual, de Chesed e Tiferet
O terceiro, hominal, de Netzach a Yesod
Abaixo dos três, Malkuth completa a árvore.

O primeiro triângulo indica o Macrocosmo. O segundo, o plano intermediário. O terceiro, o Microcosmo.

4 – As esferas a partir do caminho da Serpente

Malkuht – Fora do templo, sala dos passos perdidos, o profano, a porta do templo.
De Yesod a Netzach – estudo do subconsciente e símbolos, mais razão e emoção

Tiferet – Descoberta de quem se é e do que se deve fazer. É Superconsciência em relação ao inferior.

Deve ser feito articulando com as egrégoras em Geburah e Chesed

Daí, começa a volta ao paraíso. Três esferas divinas. Onipresença, Onipotência e Onisciência.

5 Estórias

Finalmente, outro modo de se aproximar da Árvore da Vida é a partir de estórias e mitos a ela relacionados.

Dentre estes, destacam-se as estórias com Princesa, Dragão e Cavaleiro.


A Princesa é a Lua, Yesod, aspectos espirituais do ego, o plano astral, o subconsciente. Aprisionada em castelo de pedra, que é Malkuth. Guardada pelo dragão, que são as quatro esferas inferiores ou ego. Do pedido de socorro surge o belo príncipe, Tipheret, para dominar o dragão e se casar com a princesa, tornando-se o casal rei e rainha do castelo. Diante da coroa, Kether, o Rei e a Rainha, hochma e Binah comandam o reino e vencem o abismo.

Nenhum comentário: